Quem são seus inimigos?

A pergunta seria mais fácil se fosse “quem são seus amigos”? Talvez você tivesse alguma dificuldade em enumerá-los, mas certamente três, cinco ou mais surgiriam de imediato em sua mente. Mas e os inimigos? Certa vez me fizeram uma pergunta parecida: você tem algum inimigo? De imediato respondi: “Que eu saiba não”. Inimigo, na minhaContinuar lendo “Quem são seus inimigos?”

Precisamos ter mais ousadia?

Ousadia no dicionário aparece com alguns significados: coragem, arrojo, imprudência e temeridade. Percebam que os dois primeiros referem-se a virtudes e os dois últimos a defeitos. Ser ousado, no sentido de ter coragem, faz com que nos sintamos mais fortes, destemidos e dispostos a agir. Mas agir aqui não no sentido de fazer algo porContinuar lendo “Precisamos ter mais ousadia?”

Por que temos medo de ser felizes?

O medo nos acompanha desde os primórdios da humanidade. A frase pode até ser clichê, mas ainda assim é verdadeira. Afinal de contas, sentir medo é algo comum à nossa espécie, mesmo que tenhamos evoluído ao ponto de construirmos barreiras que nos protegem dos perigos do ambiente no qual vivemos. Trocando em miúdos, vamos criandoContinuar lendo “Por que temos medo de ser felizes?”

E quando o fracasso bater à sua porta?

Fracassar é um verbo proibido na nossa sociedade. Ser reprovado, não bater a meta, não atingir os objetivos, perder…Tudo isso reflete numa única palavra: Fracasso. No entanto, inevitavelmente o fracasso vai bater à sua porta algum dia, seja profissional ou pessoalmente. Afinal de contas, fracassar parece ser bem mais fácil que vencer, que triunfar. OContinuar lendo “E quando o fracasso bater à sua porta?”

O novo te assusta?

Mudar. Começar do zero, inovar, reinventar…Isso tudo te apavora? A mim sim. Um novo emprego, um novo relacionamento, um novo endereço, uma nova forma de viver a vida. Parece assustador e é, mas precisamos acostumar com aquilo que não conhecemos e que, aliás, só vai ser conhecido se aceitarmos, praticarmos e vivermos o novo momento.Continuar lendo “O novo te assusta?”