Sua vida é um conto de fadas?

Você nasceu numa família estruturada, que te deu condições para crescer e desenvolver-se pessoal e profissionalmente.

Sempre estudou em boas escolas e ao ingressar na faculdade pôde escolher, entre uma pública e outras privadas. Montou república, teve sempre dinheiro para gastar nas festas universitárias, além de comprar livros e viajar com os colegas em passeios ou excursões para visitas técnicas.

Formou-se e o seu desejo era o de entrar no mercado de trabalho. Concorreu a algumas vagas para trainee em grandes empresas, podendo escolher a melhor, afinal você sempre dominava o idioma inglês, além de ter realizado intercâmbios em outros países. Fez sua escolha e começou a juntar dinheiro, comprou seu carro, mas continuou a morar com os pais. Anos depois financiou um apartamento.

Um belo dia resolveu largar tudo, porque o trabalho não lhe dava o mesmo prazer, afinal de contas você queria ter qualidade de vida. Tomou a decisão de sair do emprego. Comunicou a escolha aos seus pais, que concordaram. Matriculou-se num cursinho preparatório para concurso público. O investimento era alto, mas ia valer a pena.

Aprovado, passou a receber um salário menor que o da empresa, mas conseguia gozar férias quando quisesse, tinha estabilidade e, principalmente, hora para chegar em casa. Numa dessas férias conheceu uma moça por quem se apaixonou e anos mais tarde casou. De presente dos pais ganhou uma casa, enquanto dos sogros todos os móveis, além de uma viagem de lua de mel para um lugar bem especial.

Os filhos vieram, estudaram em boas escolas, ingressaram na faculdade, conseguiram bons empregos e a vida da família seguiu assim por muitas e muitas décadas.

Essa história parece um conto de fadas, mas não é. Ela é real e acontece com muitas pessoas, que talvez não conheçamos ou nem vamos conhecer, porque não pertencem ao nosso mundo, pois o mundo no qual vivemos é o real e não o ideal. Mas devo confessar que gostaria muito que esse mundo ideal existisse, não exclusivamente para algumas pessoas, mas para todos que não tiveram as mesmas oportunidades na vida.

Publicado por Ralph Neves

Não sei bem me definir...Gosto de escrever, talvez porque gosto muito de ler. Sou curioso e tenho muitas dúvidas, mas não sou cético, porque acredito em muitas coisas e ao mesmo tempo não creio em nada. Muitas vezes penso que sei, e descubro que não sei nada. A frase atribuída a Descartes ajuda a me definir: "Daria tudo que sei pela metade que ignoro". Estou sempre procurando e talvez não encontre, mas o que realmente importa? Certamente é o caminho da busca...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: