Para que servem as derrotas?

Vencer é sempre bom! No entanto, é nas derrotas que refletimos mais sobre os nossos erros e acertos e até mesmo sobre a maneira como temos conduzido as nossas vidas.

As derrotas costumam ter um sabor amargo, porque nos trazem um sentimento de decepção, já que a expectativa era de vitória. Muitas vezes choramos e até mesmo colocamos a culpa em alguém. Mas quando o tempo passa e nos mostra que a vida só pode ser vivida e compreendida a partir de um olhar duplo – fracasso e sucesso – aprendemos com a experiência negativa, buscando transformá-la em algo positivo a ser utilizado no futuro.

Derrotas não dizem que somos piores que os outros, e sim que algo dentro de nós precisa melhorar. Perder quando o adversário foi melhor não é humilhante. Desonroso é quando perdemos e procuramos culpados, é quando olhamos para fora em vez de olhar para dentro.

Ao perder, necessitamos também olhar para trás. Onde erramos? Em qual ponto falhamos? Faltou treino, dedicação, esforço? Quando você é aprovado num concurso, geralmente não olha pra trás, não se preocupa com aquelas questões que marcou de forma errada, porque o mais importante você conseguiu. O objetivo foi alcançado. Porém, ao ser reprovado, lembramos e até sonhamos com as questões erradas. Falta de atenção, impaciência, preguiça de pensar, calor, tudo isso pode ter influenciado, mas quando o erro foi motivado por sua falta de estudo, chegamos enfim ao culpado: você.

Mas falo em culpa com o desejo de reflexão. Se o erro foi meu, vou assumi-lo e tentar fazer diferente na próxima vez. A assunção da sua culpabilidade nas derrotas demonstra que você está no caminho certo das conquistas, pois quando olhamos para dentro e aprendemos um pouco mais de nós mesmos (autoconhecimento), temos a oportunidade de mudarmos a rota e com mais segurança chegarmos ao topo.

As vitórias, quando acontecem, nos mostram que o esforço e a dedicação valeram muito a pena. As derrotas, por suas vezes, nos servem como norteadores. São elas que indicam não só o melhor caminho para seguirmos em busca do êxito, mas também que o sucesso profissional passa, em grande medida, por ações que realizamos na vida pessoal.

Infelizmente algumas pessoas costumam separar a vida pessoal da vida profissional, como se só pudéssemos alcançar o sucesso em uma delas e, portanto, fosse necessária uma escolha, uma decisão. Penso que pessoas que se autoconhecem, que são determinadas, dedicadas ou motivadas, e que se esforçam para ter também uma vida pessoal de sucesso – seja no casamento, na criação dos filhos ou no cuidado aos pais – acabam se tornando também excelentes profissionais. É difícil conceber o pensamento de que uma mesma pessoa possa ser um ótimo Administrador na empresa e um péssimo Administrador em casa. Geralmente, antes de sermos bons profissionais, necessitamos ser boas pessoas.

Por isso, ao vencer, simplesmente comemore. Mas quando perder, lembre-se de refletir sobre a derrota. Essa reflexão vai oportunizar que você se conheça melhor e que o seu sucesso profissional vai sempre estar atrelado à sua vida pessoal.

Publicado por Ralph Neves

Não sei bem me definir...Gosto de escrever, talvez porque gosto muito de ler. Sou curioso e tenho muitas dúvidas, mas não sou cético, porque acredito em muitas coisas e ao mesmo tempo não creio em nada. Muitas vezes penso que sei, e descubro que não sei nada. A frase atribuída a Descartes ajuda a me definir: "Daria tudo que sei pela metade que ignoro". Estou sempre procurando e talvez não encontre, mas o que realmente importa? Certamente é o caminho da busca...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: