Você é feliz no trabalho?

A maioria de nós passa pouco mais de um terço da vida no trabalho, digo isso principalmente para aqueles que possuem algum vínculo empregatício. Desse modo, se considerarmos que um outro terço da vida passamos dormindo, nos sobram ainda um terço para outras atividades, ou para sermos felizes.

Nesse sentido, se estamos infelizes no trabalho, quer dizer que a infelicidade estará presente em um terço de nossas vidas. Façamos os cálculos. Segundo o Banco Mundial, em 2017, a expectativa de vida do brasileiro era em torno de 75 anos. Dividindo-se esse número por três, teremos 25 anos. Lembrando que passaremos outros 25 anos dormindo, só nos restarão apenas 25 anos para sermos felizes. É muito pouco não acham?

Outrossim, se só começamos a ser felizes na sexta-feira, porque não trabalharemos no sábado nem no domingo, a situação também é grave, pois dos sete dias da semana, passaremos cinco sendo infelizes e apenas dois usufruindo de bons momentos. É também muito pouco para quem acredita que a felicidade está no destino e não na viagem.

No entanto, a situação não é tão simples como possa aparentar. Nem sempre vamos fazer o que gostamos, mas necessitamos gostar daquilo que fazemos. E se ainda assim não for possível, precisamos mudar…de chefe, de setor, ou mesmo de emprego. Porque quando estamos infelizes, contagiamos os outros, e o pior, carregamos a tristeza conosco por onde passamos, principalmente para o nosso lar.

Existe uma saída? Sim. Talvez até mais de uma. A primeira delas é compreender que há pessoas boas e ruins nas empresas, e que cabe a nós adaptarmos a elas, afinal, a mudança deve partir de dentro pra fora. Mas se temos a crença de que todos os trabalhos não nos satisfazem, existe também a possibilidade de abrirmos o próprio negócio. Porém, para quem não gosta muito de trabalhar, ser empreendedor implica em dedicação, esforço e riscos, que muitos não estão dispostos a correr.

Outra possibilidade é a busca do autoconhecimento. Se nos conhecemos interiormente, sabemos as nossas motivações, daquilo que gostamos ou daquilo que não temos muito habilidade em fazer, enfim, temos a oportunidade de realizar algo que nos traga paz, tranquilidade e prazer, pois, como já dito, esse trabalho vai consumir uma grande parte do nosso tempo, e de nossas vidas também.

Nessa perspectiva, três pontos devem ser salientados, se quisermos entender um pouco mais de felicidade. O primeiro é que ela não necessariamente estará atrelada ao dinheiro. É enganosa a ideia de que as pessoas só trabalham por uma recompensa financeira. A segunda é que a felicidade vem antes de qualquer coisa, trabalho, família, lazer ou sucesso. Quem está feliz irradia felicidade por onde passa. A terceira trata da felicidade no tempo presente. É no agora que precisamos estar felizes e não no futuro, na dependência de que algum evento ocorra ou não. Nem tampouco no passado. Quando a felicidade está no passado, ela muda de nome e se chama saudade.

Que possamos então estar felizes – hoje, amanhã e sempre. E que essa felicidade seja onipresente!

Publicado por Ralph Neves

Não sei bem me definir...Gosto de escrever, talvez porque gosto muito de ler. Sou curioso e tenho muitas dúvidas, mas não sou cético, porque acredito em muitas coisas e ao mesmo tempo não creio em nada. Muitas vezes penso que sei, e descubro que não sei nada. A frase atribuída a Descartes ajuda a me definir: "Daria tudo que sei pela metade que ignoro". Estou sempre procurando e talvez não encontre, mas o que realmente importa? Certamente é o caminho da busca...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: