O que é um absurdo?

Para início de conversa, vamos definir o que é um absurdo. Segundo o dicionário, “é um adjetivo na língua portuguesa que se refere ao que é destituído de razão, de propósito ou de sensatez”.

Numa reunião de trabalho, uma colega diz: “É um absurdo a pessoa agir dessa forma”. Naquele instante um pensamento me surge: “Por que é um absurdo”? E pensando, me fiz o seguinte questionamento: Comprar um buquê de rosas e dá-lo à pessoa amada seria um absurdo? Afinal de contas, você vai gastar dinheiro adquirindo algo bastante perecível, e isso é irracional. Seria sensato dar esmolas sem saber antes como o mendigo vai gastar aquele dinheiro? Ajudar o outro é um absurdo?

Reparem que absurdos são sempre vistos em relação ao outro, nunca a nós mesmos. É um absurdo a mãe deixar os filhos na creche para voltar ao mercado de trabalho. É um absurdo o seu colega de trabalho querer sair da empresa para ganhar mais ou trabalhar menos. É um absurdo não convidar o seu vizinho para o churrasco de sábado. É um absurdo ser homossexual, não gostar de futebol, continuar solteiro depois dos trinta, não querer ter filhos, gastar seu dinheiro viajando…

Pessoas que se indignam com tudo, especialmente em relação ao que não é da sua conta, precisam urgentemente praticar a empatia. E não é fácil essa prática. Se colocar no lugar do outro exige esforço, porque além de boa vontade, é necessário que nos livremos de algumas crenças ou paradigmas. Se somos religiosos, consideramos um absurdo alguém não se casar na igreja. Se somos ateus, achamos um absurdo a pessoa se casar na igreja. É sempre assim, pensamos sempre em nós e nunca nos outros.

Por isso, todas as vezes que alguém diz: “É um absurdo”, eu me pergunto: “pra quem”? Afinal eu não conheço a pessoa, não sei o que ela já viveu ou como foi educada, não sei nada a respeito de sua vida, não conheço suas angústias e sofrimentos. Prefiro então me calar, em vez de afirmar que essa ou aquela atitude é absurda.

Procuro fazer sempre o exercício de me colocar no lugar dos outros, antes de expor minha opinião ou fazer um comentário. Isso me faz muito bem, porque muitas vezes consigo perceber que absurda não é a conduta ou a fala do outro, e sim a forma preconceituosa ou absurda que penso a respeito dela.

Publicado por Ralph Neves

Não sei bem me definir...Gosto de escrever, talvez porque gosto muito de ler. Sou curioso e tenho muitas dúvidas, mas não sou cético, porque acredito em muitas coisas e ao mesmo tempo não creio em nada. Muitas vezes penso que sei, e descubro que não sei nada. A frase atribuída a Descartes ajuda a me definir: "Daria tudo que sei pela metade que ignoro". Estou sempre procurando e talvez não encontre, mas o que realmente importa? Certamente é o caminho da busca...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: