Vamos desatar os nós?

É comum darmos um nó bem forte no cadarço do tênis para que ele não saia do pé. É preciso que ele (tanto o nó quanto o tênis) esteja bem firme, justo, para que o caminhar seja seguro. Ao chegarmos da caminhada, desfazemos os nós, para que os tênis sejam retirados dos pés, e que estes possam ficar livres. Uma confortável sensação de liberdade…

Na vida temos o costume de dar muitos nós. E muitos deles são tão apertados, que fica quase impossível desatá-los. Eu disse “quase”! Porque com algum esforço e empenho conseguimos desamarrar os cadarços que nos impedem de caminhar, nos prendendo a um passado longínquo, que nos imobiliza, ou a um futuro que nem sabemos se existirá.

Algumas pessoas são como nós em nossas vidas. São amarras tão fortes que nos obstaculizam, nos dificultam o crescimento, o desenvolvimento, o pensar grande, o pavimentar novos caminhos. O problema é que alguns enxergam os nós como segurança, afinal de contas são eles que nos dão a confiança (ou a sensação dela) de que nada de mau nos acontecerá. Mas essa confiança nos imobiliza, e em vez de dar um passo pra frente, prendemos os pés no chão e nos vimos acuados, tendo que voltar.

A sensação de que estamos seguros nos tornam cômodos, satisfeitos e ao sairmos de nossas cavernas vemos muita luz, talvez tanta que nem possamos enxergar todos os caminhos, mas eles estão todos lá. Nos amarramos com tal força a alguém ou a uma ideia, que passamos a ignorar o óbvio, e continuamos a viver de forma alienada.

Precisamos desatar os nós que nos prendem ao comodismo, à vida medíocre e principalmente àquelas pessoas que não sonham, não vivem, que estão ancoradas no mesmo porto, como um velho navio, esperando o fim chegar. É inevitável desamarrar os nós que prendem os nossos pés, que nos impedem de pisar a areia fina e sentir o frescor de um novo caminhar, de um novo viver.

E então? Vamos desatar os nós?

Publicado por Ralph Neves

Não sei bem me definir...Gosto de escrever, talvez porque gosto muito de ler. Sou curioso e tenho muitas dúvidas, mas não sou cético, porque acredito em muitas coisas e ao mesmo tempo não creio em nada. Muitas vezes penso que sei, e descubro que não sei nada. A frase atribuída a Descartes ajuda a me definir: "Daria tudo que sei pela metade que ignoro". Estou sempre procurando e talvez não encontre, mas o que realmente importa? Certamente é o caminho da busca...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: