Qual a melhor forma de viver?

Viver não é fácil, mas é melhor que estar morto. Enquanto vivo posso mudar de caminho, fazer escolhas, tomar decisões. Mas ela (a vida) pode não ser eterna, por isso precisamos vivê-la intensamente antes que o fim bata à nossa porta.

Se nos decidimos a viver e viver bem, necessitamos obrigatoriamente fazer escolhas. Nessa esteira, há algumas possibilidades de vida ou de viver. Para não ser cansativo, vamos apontar aqui duas formas básicas para se viver a vida.

A primeira delas é viver a vida dos outros. Abro mão dos meus sonhos e objetivos, e passo a viver em função de alguém. Há pais que vivem a vida inteira em função dos filhos e esquecem de viver suas próprias vidas. Assim como há filhos que permanecem junto aos pais por muito tempo, mas não por carinho ou atenção, e sim porque são incapazes de viver as suas vidas, perpetuando a dependência aos genitores. Há também esposas que deixam de lado suas vidas para viverem a vida dos maridos, bem como aqueles que se abdicam dos seus sonhos profissionais, para ajudar outros empreendedores a realizarem seus sonhos. Já pensaram nisso?

A segunda forma de viver a vida é se colocando no centro dela. Seus pais já viveram a vida deles, seus amigos, vizinhos e colegas de trabalho também. Por que então não viver a sua? Viver a sua vida é fazer suas próprias escolhas, optar pelo caminho A ou B. E se o caminho escolhido não deu em lugar nenhum, voltar e escolher o outro, ou quem sabe uma nova via. Mais importante que viver a sua vida, é chegar ao fim dela tendo quase a certeza de que não se arrependerá. Impossível saber isso, mas ter paz de espírito para compreender que se buscou o melhor é uma grande possibilidade.

Ainda há tempo! Qual será a sua escolha?

Publicado por Ralph Neves

Não sei bem me definir...Gosto de escrever, talvez porque gosto muito de ler. Sou curioso e tenho muitas dúvidas, mas não sou cético, porque acredito em muitas coisas e ao mesmo tempo não creio em nada. Muitas vezes penso que sei, e descubro que não sei nada. A frase atribuída a Descartes ajuda a me definir: "Daria tudo que sei pela metade que ignoro". Estou sempre procurando e talvez não encontre, mas o que realmente importa? Certamente é o caminho da busca...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: